2. Receita de Splashes: Baixo Impacto

Controlando a Gravidade

Embora a fotografia de splash seja quase sempre incluída em técnicas de alta velocidade, é possível seguir o caminho oposto e mostrar alguns truques sem nenhum equipamento especial. Uma das maneiras mais simples de praticar esse tipo de splash, por exemplo, é controlar manualmente o fluxo dos bicos de uma mangueira, principalmente de baixo para cima, quando os líquidos diminuem a velocidade pela ação natural.

Halloween. Pressionando a extremidade de uma mangueira d’água de baixo para cima em um contra-luz colorido, você pode criar imagens surpreendentes.

 

Através de pequenos jatos de água de baixo impacto, dirigidos estrategicamente para cima que com a ajuda da força da gravidade, consegue-se efeitos refrescantes enfatizando o “appetite appeal”.

 

Controlando a Hidrodinâmica

A foto a seguir mostra alguns macetes de splash de baixo impacto, sem equipamentos especiais, e melhor ainda, sem fazer bagunça, pelo simples controle do fluxo do liquido e ao mesmo tempo tirando vantagem da hidrodinâmica de um recipiente apropriado – em nosso caso, uma espécie de taça de Martini. Essa foto dos pimentões foi concebida para a Kodak e reproduzida num workshop para profissionais ao promover o lançamento do back digital DCS Kodak em São Paulo, há alguns anos.

Nesta imagem, a água transmite a idéia de fluir suavemente sobre e ao redor do assunto em vez de simplesmente espirrar.

Existem quatro variáveis a observar para controlar esse fluxo: a altura a partir da qual a água foi lançada, a quantidade, a natureza da superfície e o design do recipiente. É por um estudo cuidadoso desses quatro fatores que a técnica em questão é refinada, que pode ser efetivamente aplicada a uma grande variedade de situações.

Para esta foto você vai precisar de:

  • 1 cavalete;
  • 1 tampo de mesa (cerca de 60 x 80 cm);
  • 1 chapa de acrílico preto (ou fórmica), nas mesmas dimensões;
  • 1 plástico fino, em dimensões pouco maiores (80 cm x 120 cm);
  • 1 taça de vidro (v. modelo);
  • 1 rebatedor prateado;
  • 1  boa seleção de pimentões frescos  (em nosso caso, vermelhos e amarelos, em referência às cores da Kodak);
  • 1 jarra com água;
  • 1 balde;
  • 1 fundo preto.

Você também vai precisar coordenar a ação com um assistente hábil.

Abaixo, uma foto que dá uma ideia básica de como o set deve ser montado:

Montagem do set.

 Vale observar que foi escolhida uma superfície acrílica por conta de ser material à prova d’água. Sem essa característica, a sessão seria quase impraticável, dado o trabalho de trocar a superfície molhada a cada nova foto. Agora que temos a configuração básica, vamos aos passos necessários para produzir nossa foto:

  1. Coloque o tampo de mesa sobre o cavalete — ligeiramente inclinado para trás, de modo a facilitar o escoamento da água para o balde.
  2. Ponha o plástico entre o tabletop e o acrílico, enrolando os lados e a frente, criando uma “piscina”. Enrole a parte do fundo do plástico como uma canaleta, prendendo-a ao balde com garras, para evitar o vazamento da água para o chão do estúdio — dessa maneira você também poderá reciclar a água para outras tentativas.
  3. Posicione a taça sobre o acrílico, a cerca de 2/3 de distância da frente.
  4. Alinhe sua fonte de luz com um suavisador ou hazy com um flash de alta velocidade perpendicularmente à taça, deixando espaço por trás para executar a ação.
  5. Arrume um fundo preto a alguns passos do set.
  6. Monte sua câmera no tripé e pré-foque no ângulo desejado.
  7. Escolha seus pimentões e, ao arranjá-los na taça, deixe um vão debaixo deles, para que a água flua estrategicamente entre eles e a taça, envolvendo-os.
  8. Refine sua luz usando um rebatedor prateado para delinear altas luzes em um dos lados da taça.
  9. Neste ponto, o ideal é compor, iluminar, fotometrar e fotografar sem nenhum líquido, como se fosse a foto final. Isto para que se tenha uma versão limpa, em caso de a foto com o splash precisar de algum retoque na pós-produção.
  10. Ensaie. Com a ajuda de um assistente, experimente usar recipientes diferentes para provocar o fluxo desejado. Também é uma boa oportunidade de acertar o seu timing com o do seu assistente.
  11. Observe a ação de cima da câmera, em vez de olhar pelo visor, com o dedo preparado no disparador. Assim você corre menos risco de errar o timing.

Divirtam-se!

Obs.: Esse tutorial está disponível no YouTube em forma de video.

 

 

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.